Embora 2015 tenha sido marcado por uma das mais profundas crises da história da indústria automotiva brasileira, as marcas premium, que vendem apenas carros acima de R$ 100 mil, continuaram distantes da realidade de queda nas vendas do mercado como um todo pelo 3º ano consecutivo.

Somando apenas 3% dos 2,1 milhões de carros de passeio novos vendidos no país no ano passado, 8 marcas analisadas pelo G1 cresceram 20%, em média, em 2015, em relação ao ano anterior. É um crescimento maior do que o de 2014 sobre 2013, que foi de 18%. O resultado foi puxado por avanços fora da curva de duas fabricantes.

O volume total de 66,7 mil unidades no ano passado é o dobro das vendas de 2012 – primeiro ano “cheio” da alta de 30 pontos percentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para modelos importados, anunciada pelo governo brasileiro no final de 2011 com objetivo de atrair investimentos ao país. Dali para frente, só houve crescimento.

No entanto, segundo analistas, será cada vez mais complexo atingir novos patamares e desviar de dificuldades como dólar mais alto e a desconfiança com relação à economia brasileira.

É difícil prever até quando Audi, BMW, Jaguar,Land Rover, Mercedes-Benz, Mini, Porsche e Volvo conseguirão manter distância da crise do setor no Brasil. Além de “descolarem” das marcas de maior volume, as 3 grandes alemãs – Audi, Mercedes e BMW – comemoraram vendas recordes no Brasil em 2015. Mais do que isso, as duas primeiras registraram crescimento de mais de 40% em relação a 2014.

O resultado foi influenciado por uma mistura de novos produtos com estratégia de preços agressiva, expansão da rede de concessionários, ampliação de opções de financiamento, melhoria no pós-vendas com preços fixos de revisões e construção de fábricas no Brasil.

Com crescimento de 40% em 2015, a Audi tomou a maior fatia do mercado premium de carros de passeio da BMW, com total de 17.541 unidades – o que representa pouco mais de 1 mês de vendas do modelo mais popular do Brasil em 2015, o Chevrolet Onix.

O salto ocorreu depois de investimentos de mais de R$ 700 milhões no país, sendo R$ 500 milhões na linha de produção em parceria com a Volkswagen no Paraná, inaugurada em outubro passado. Outros R$ 200 milhões foram colocados na ampliação da rede de concessionários, que passou de 27 em 2013 para 49 em 2015. A parte de pós-vendas recebeu aporte de R$ 12 milhões.
Entre os modelos, o impulso foi dado pelo A3 Sedan, sedã de entrada que chegou a ser vendido a partir de R$ 97,9 mil (atualmente, parte de R$ 101.190). O preço atraiu clientes de Toyota Corolla e Honda Civic, cujas versões mais equipadas podem superar os R$ 100 mil.

Assim como nos segmentos “não premium”, os SUVs também foram responsáveis por alavancar as vendas. A Mercedes-Benz quase triplicou o número de emplacamentos de utilitários das famílias G, GL e ML, de 2.053 para 5.856 unidades no ano passado, e a Audi aposta na produção nacional do Q3 para manter o ritmo em 2016.
Mas a maior parte do crescimento se deu no segmento de “entrada”, ou seja, entre os carros mais “baratos” dessas marcas. Isso ressalta o desejo de ascensão social do brasileiro e reafirma o carro como símbolo desta passagem, segundo Rene Martinez, analista do setor automotivo da consultoria EY.
Sem os benefícios do programa Inovar Auto, que livra empresas que investem na produção nacional do aumento de 30 pontos no IPI de carros importados, o avanço de mais de 40% de Audi e Mercedes seria praticamente impossível.

“Com as vantagens oferecidas pelo Inovar Auto tivemos um aumento expressivo na participação de mercado”, afirmou Dirlei Dias, gerente sênior de marketing e vendas de automóveis da Mercedes-Benz. A marca deverá inaugurar sua fábrica, em Iracemápolis (SP), ainda neste primeiro trimestre.

A produção local também colocou o Brasil entre os mercados mais importante para as metas mundiais das marcas premium. A Audi quer chegar a 30 mil unidades emplacadas em 2020, mesmo ano em que a Mercedes-Benz pretende se tornar líder global do segmento.

“A Audi vê um grande potencial de expansão do segmento premium por aqui, já que hoje este mercado representa apenas 2,7% do mercado geral.  E as perspectivas são boas: aqui, o setor deve triplicar até 2020”, afirmou Jörg Hofmann, presidente e CEO da Audi do Brasil.

Já no final de 2015, a BMW fez reajustesde até R$ 42,5 mil nos preços. A fabricante justificou o movimento pelo custo de produção nacional, que subiu por causa do câmbio e da inflação.

Audi, Mercedes e Jaguar também já aumentaram preços. A partir de janeiro, o A3 Sedan, por exemplo, dificilmente será encontrado por menos de R$ 100 mil, e o Classe C ficou R$ 17 mil mais caro.

No entanto, para as montadoras, preços maiores não devem afastar o consumidor brasileiro. “Vamos manter nossos investimentos e, apesar do cenário ainda mais desafiador, acreditamos que alcançaremos um crescimento de vendas de dois dígitos (em 2016)”, disse Hofmann, da Audi.

Também com expectativa positiva, a Mercedes-Benz aposta nos SUVs para bater um novo recorde neste ano. “Nossa expectativa é de que o mercado premium continue competitivo, mas esperamos superar os resultados de 2015 e continuar buscando a liderança de mercado”, apontou Dias.

(Fonte)