Ao menos por enquanto, os resultados da Porsche não demonstram qualquer efeito do dieselgate. Balanço divulgado pela companhia aponta que 2015 foi o quinto ano consecutivo de recorde. A empresa vendeu 225 mil veículos, com crescimento de 19%.

O lucro operacional, que inclui apenas os resultados financeiros da atividade principal, alcançou € 3,4 bilhões, com evolução de 25%. As receitas cresceram na mesma proporção e somaram € 21,5 bilhões. Para apoiar a expansão, a companhia ampliou em 9% a força de trabalho em 2015 e chegou ao fim do ano com 24,4 mil funcionários.

A Porsche manteve o bom ritmo no início de 2016. As vendas no primeiro bimestre somaram 35 mil veículos, em expansão de 14% na comparação com o mesmo período do ano passado. A expectativa é manter a boa performance com a demanda puxada pelos SUVs Macan e Cayenne. “Neste momento, esperamos que o faturamento em vendas cresça levemente no ano fiscal de 2016 e que os lucros atinjam o mesmo nível do ano passado”, apontou o vice-presidente do conselho executivo da companhia, Lutz Meschkeem, em comunicado.

O executivo alertou, no entanto, para a necessidade de evitar expectativas exageradas, já que o cenário econômico é desfavorável em muitos mercados. Ainda assim, ele destacou que a empresa seguirá investindo fortemente em novos modelos, principalmente no primeiro carro puramente elétrico da marca, o Mission E, que só deve chegar ao mercado depois de 2020. Em 2015 a Porsche aplicou € 2,15 bilhões na área de pesquisa e desenvolvimento.